Streamer é hostilizado durante gameplay e comunidade reage

Comunidade de jogadores reagiu em relação ao comportamento adotado no jogo e liderança da guild dominante do servidor apresenta seu contraponto

0
502

Apesar de serem destinados ao lazer, os ambientes de jogos eletrônicos os mais diversos nem sempre são os mais pacíficos. “Rages”, como são conhecidas as atitudes agressivas por parte de jogadores podem partir de qualquer um, especialmente quando estes percebem que as desenvolvedoras dos jogos nem sempre conseguem oferecer o respaldo mais célere às denúncias que costumam ser oferecidas. E é exatamente nesse contexto que se destacou, muito recentemente, a história de Diego Mateus, que vive no Município de São Ludgero, Santa Catarina.

Diego, que é conhecido como “Guerreiro Tetra”, é adepto do conhecido MMORPG (massive multiplayer online role-playing game) Tibia, um jogo 2D que possui uma comunidade de milhares de jogadores por todo o mundo e bastante procurado por jogadores brasileiros. Aos 18 anos, Guerreiro sofreu um acidente que o deixou tetraplégico e, a partir de então, decidiu assumir o protagonismo da luta pela vida, pela superação, e reinventando-se, encontrou nesse jogo 2D novos propósitos. Hoje, Diego tornou-se streamer, buscando dar novo sentido à sua adversidade, estimulando pessoas de todas as idades a não desistir dos seus sonhos, independentemente dos problemas e dificuldades que enfrentam. Assim, o que antes era apenas uma distração, tornou-se, também, uma complementação de renda.

Guerreiro Tetra durante entrevista realizada com o canal Tibia Papo.

Partindo de um processo totalmente adaptado, usando o queixo como controlador central dos comandos dentro do jogo, ele se permite desfrutar, dentro de orientações médicas, de até 4 horas consecutivas por dia, para realizar as suas gameplays e receber o carinho de inúmeros jogadores de todo o mundo pelo seu exemplo de superação e diversão com que sempre conduz o seu trabalho nas redes sociais, onde transmite as suas partidas e interage com os seus mais de 27 mil seguidores.

No entanto, apesar de todo o carisma de Diego, nem tudo são flores, e os desafios em algumas circunstâncias vão além das suas limitações pessoais e se introduzem, também, no ambiente digital, onde as suas transmissões acontecem. A questão é que vivenciou há alguns meses experiências bastante questionáveis, sobretudo pela própria comunidade de jogadores, por conta de ações consideradas abusivas, em vários níveis, por parte de um pequeno grupo daquele que é considerado o grupo dominante onde o streamer costuma realizar suas transmissões: o servidor de Yonabra.

Dentro dos servidores, criam-se “guilds” (times) e esses times que dominam os servidores, na maioria das vezes, instituem algumas taxas para os novos jogadores e times contrários. Guerreiro pertencia àquela que era considerada a guild (grupo) dominante de um dos servidores do jogo. Nesse ambiente, os jogadores recebem instruções de lideranças, nesse caso, a liderança era dividida entre quatro jogadores, que se revezam na administração dos recursos e na análise de conduta dos jogadores dentro e fora do grupo.

Estas taxações acontecem pelo pagamento de moedas do jogo, as tíbia coins (TCs) e que são comercializadas livremente (inclusive no próprio servidor do jogo) por todo o mundo, nas mais variadas condições cambiais. No Brasil, os interessados podem obter 250 TCs por pouco mais de R$ 50,00.

Procurado pela nossa redação, Tetra nos relatou que há muito tempo estava descontente com o sistema de taxação adotado pelo time dominante (ao qual fazia parte) e que, em razão de tanto controle, manifestou-se internamente junto às lideranças, de acordo com o jogador, ele queria mais flexibilidade com relação a jogadores que estariam entrando no servidor para jogar com ele, e não apenas a liberação de um time restrito de quatro jogadores. E, em decorrência disso, ele argumenta, houve discussões internas e alguns desentendimentos e, consecutivamente, por não pactuar com os métodos utilizados, o pedido para se retirar do grupo. Até aí, um procedimento tido como padrão para quem deixa de pertencer a qualquer time dentro do jogo, fato reconhecido por toda a comunidade – o ato denominado ‘hunted’. Entretanto, o que ele não imaginava é que, além de ser removido do time, posteriormente, também seria fortemente hostilizado sem que houvesse quaisquer considerações pelas suas condições adaptadas.

E foi esse assunto, associado aos rumores sobre cobranças altíssimas no servidor de Yonabra que motivaram outros streamers, a exemplo de Andrês Santana, o Libosi, conhecido entre a comunidade tibiana. Jogador de Tibia desde meados de 2001, ele explica que as guerras em servidores do jogo são expedientes comuns e têm como objetivo o controle dos locais de caça com o objetivo de permitir à sua equipe um melhor desempenho e conquistas mais significativas dentro do jogo. “O problema todo é que existe um lado obscuro em tudo isso, as riquezas do jogo podem se transformar em riquezas reais, uma vez que itens e moedas obtidas dentro do jogo podem ser facilmente convertidas em moeda real. Existem vários canais para isso, alguns, inclusive, autorizados pela própria desenvolvedora. E esse é o ponto crítico do jogo: a maioria das guilds dominantes não buscam apenas diversão e poder, algumas se tornaram verdadeiras milícias, obrigando os jogadores a pagarem quantias absurdas para participar do time deles e taxas mensais para outros expedientes. Nos servidores onde o conflito entre jogadores (PVP) é opcional, o cenário é ainda pior, pois não há sequer meios de se tentar revidar ou lutar contra esses times, que pelo abuso de poder econômico acabam desfrutando de personagens com níveis muito superiores e que tem como principal missão impedir o progresso de quem quer que se arrisque a jogar nos mesmos ambientes, como é o caso de Yonabra, onde a guild dominante em questão (Silent Order) é acusada de cobrar 8.000 tibia coins (TCs) – aproximadamente R$ 1.800,00) para quem quiser jogar sem nenhuma perturbação ou 4.000 TCs (aproximadamente R$ 900,00) para fazer parte de um sub-grupo que tem, como uma das suas tarefas obrigatórias, perturbar quem opta por jogar sem o pagamento da taxa exigida.”, pontuou o streamer.

Libosi, durante transmissão ao vivo.

Mas, se o sistema de taxações já é algo reprovável entre muitos jogadores da comunidade, o que viria logo em seguida tornaria a situação insustentável. Isto porque, a partir da exclusão do jogador do time dominante, alguns membros decidiram levar o assunto restrito dos jogos para as particularidades do jogador, que passou a ser alvo de diversas ações, no mínimo, insensíveis.

“Eles iniciaram com insultos preconceituosos, e depois mobilizaram grande parte de jogadores do time para espalharem coisas pelo chão, no mapa do jogo, propositalmente, para prejudicar a minha movimentação e causar a minha exaustão, pois jogo com os movimentos do pescoço, usando o queixo, e quando fizeram aquilo, foram covardes, explorando uma limitação física adaptada.” O comportamento tóxico dos jogadores – agora adversários – não apenas minava a saúde física do jogador, mas, também, o aspecto emocional, devido a toda a exposição a que foi submetido, ao vivo, diretamente no ambiente onde realiza as suas transmissões, em seu canal, onde possui cerca de 27 mil seguidores.

E foi diante dessa exposição que o assunto envolvendo Diego assumiu proporções inimagináveis, mobilizando jogadores de todo o mundo. Vários jogadores manifestaram-se em seu favor, incluindo streamers reconhecidos no universo gamer e jogadores veteranos do MMORPG. A todos estes, o sentimento de reprovação pela atitude ficou evidenciado em diversas manifestações pelas redes sociais e nos seus respectivos canais onde também realizam streaming. Infelizmente, o que deveria ser uma diversão, tomou outros rumos, e trouxe incômodo para muita gente.

“Não bastasse o sistema miliciano, os ataques foram além da perseguição no jogo. O Guerreiro Tetra é tetraplégico e dá exemplo de superação a toda a comunidade tibiana, jogando com um mouse adaptado sob o queixo. Persegui-lo e prejudicar a sua mobilidade, ao ponto de lhe causar dores físicas reais foi de uma insensibilidade desmedida. O caso gerou revolta e uniu jogadores de vários lugares, que decidiram intervir pedindo ajuda para a criadora do jogo e, também, levando seus personagens para o servidor onde o caso aconteceu. Hoje, estamos em guerra com a guild “silent order”, e ficaremos jogando no servidor em apoio ao Tetra. Não aceitaremos o sistema duvidoso imposto por eles, nem as ofensas e abusos direcionados ao nosso amigo, que é tetraplégico, esse caso já passou de todos os limites.”, finalizou Libosi, que participa de um movimento de dezenas de jogadores de diversos servidores diferentes que mudaram de servidor para auxiliar o colega streamer e ícone de superação para muitos da comunidade tibiana.

Contraponto

Procurado pela nossa redação, um dos líderes da guild dominante do servidor de Yonabra, Silent Order, F. A., conhecido no ambiente gamer e na comunidade tibiana como Bigatu deixou as suas impressões sobre o ocorrido através de um documento que se tornou público para explicar a versão do time, ao qual publicamos, a seguir, integralmente. O texto diz o seguinte:

“Não há maníacos aqui. Quem sente prazer em brigar com um tetraplégico? Ninguém. Mas infelizmente não nos restou opção, você compreenderá. Vocês já ouviram uma parte da história, de maneira muito emocional. Naturalmente eu na sua posição também ficaria tocado, não é todo dia que se ouve uma narrativa partindo de uma pessoa em posição tão fragilizada, ainda mais com uma história fantástica de superação de plano de fundo. Também admiramos a caminhada do Tetra, tanto é que o convidamos a participar da guilda e o incentivamos com benefícios, entretanto o nosso pagamento foi traição e desrespeito.

A situação escalou ao ponto que ambas as partes cometeram erros, falaremos deles, mas antes disso voltemos ao início, antes de vocês nos conhecerem e nos condenarem como vilões da história.

Tratando os desiguais à medida de suas desigualdades. O Guerreiro Tetra foi convidado a jogar conosco, beneficiando-o com marcações prioritárias e por suas limitações naturais, extendemos (sic) a ele o direito de trazer para guild pessoas que já estivessem acostumadas com suas necessidades especiais. Ou seja, não só abrimos a ele uma vaga, como outras duas para ele poder caçar em time com claim (prioridade da dominante).

Infelizmente no decorrer da história o jogador, Guerreiro Tetra não colaborou com a comunidade da Silent, infrigiu regras da Guilda, se envolveu em tretas de neutros, e começou usar os privilégios de marcação prioritária beneficiando pessoas que não eram da guilda, em prejuízo do próprio time. Justamente por conta desta conduta ele perdeu a marcação prioritária da Asura Mirror. Uma punição branda e reversível, entretanto o Guerreiro aparentemente escolheu jogar outros servidores e se tornou um jogador que só entrava para fazer Bosses aqui em Yonabra.

Contudo agora no evento da Double Experience e Loot, após repetir a mesma infração (2x) de usar a prioridade da Guilda para caçar com neutros o Guerreiro achou bom pedir, justificando sua condição, prioridade no respawn Asura Mirror novamente. Devido ao histórico negativo foi negado. O levando a escalar a situação unilateralmente.

Ele saiu da guilda, abriu KS contra membros e começou a difamar o time que o serviu, trocou ofensas com membros e mentiu publicamente sobre os fatos. Naturalmente ele está em uma posição frágil e ofensa que ele cometeu não repercute tanto quanto a que um membros fez, mas definitivamente não é bullying, muitos de nós jogadores de RPG fomos mais introspectivos em nossa infância e sabemos bem o que é sofrer bullying, se sentir oprimido e nem mesmo reagir, bem diferente do caso presente onde há e houve agressão dos dois lados.

Mantivemos o Silêncio, até então. Acreditamos que a verdade vence, entretanto a história mostra que a mentira repetida muitas vezes se torna “verdade”, e muitas têm sido propagadas. Hora de sair do roleplay “Shhhh!” e nos defender de acusações injustas boostadas pelo drama. Na Guerra não há Santos. Nós tacamos firebomb em situações onde o player clica mapa para tomar frente nas box e fragar os mobs no KS – visto públicamente em outras streams e da experiência cotidiana de quem disputa qualquer non-pvp. Estivemos sob ataque, difamação, injúria, ameaças RL, exposição por interpretações errôneas sobre um joguinho.

Observado que o Tetra tem se colocado em risco, não seguindo suas orientações médicas, se expondo mais horas do que ele mesmo havia dito naquela conversa anterior, não vamos ser nós que vamos auxiliá-lo a se machucar nessa empreitada negativa, gerando drama maior ainda. Então novamente, tratando desiguais, serão evitadas no caso singular dele as firebombs.

O caso tomou proporções indesejáveis, internamente não estamos felizes tanto quanto a comunidade tibiana. Somos uma guilda que preza pela diversidade, tanto que o Tetra não era único dentro de nossa comunidade com suas peculiaridades. Tenham certeza disso.

Em busca de solucionar essa situação dolorosa, conseguimos finalmente estabelecer o diálogo com ele e suspender seu “hunted”, novamente o tratando com benefícios, liberando ele caçar com prioridade junto a membros Silent em claim. Foi aceito da parte dele, e rompido novamente uniteralmente. Como falei no início dessa parede de texto, não restou escolha. Não podemos aceitar agressões e nos resta tratá-lo como hunted.

Explicada toda a novela, agradeço a todos que tiveram a sensatez de ouvir toda essa conversa. Certamente a Guilda não estaria unida se estivéssemos errados em algo tão sensível, não há maníacos aqui, mas sim muito amor envolvido.”

Sobre os valores pagos dentro de servidores

A respeito dos valores supostamente cobrados pelo clã, A. F. disse que: “Com relação a supostas cobranças, o Guerreiro Tetra e seus amigos não pagaram absolutamente nada para entrar em nossa Guilda, assim como diversos outros membros que eram Neutros no servidor, ou que tinham algo à agregar para nosso time, entraram também sem pagar taxa alguma.

A partir do momento que você faz parte da guild, aí sim, temos um rateio entre membros referente ao GuildBank (os referidos GBs), de 25 ou 50 tibia coins, que seria um valor em tibiacoins arrecadado dos membros que vieram após o primeiro dia de servidor, para bancar custos como Teamspeak (aplicativo usado para comunicação entre membros do grupo) e o servidores onde está hospedado, eventos do servidor que beneficiam TODOS do servidor com bônus de Experiência e etc, onde temos que investir em itens que muitas vezes precisamos trazer de outros servidores bancando transfêrencia, eventos da Guild como foi agora o “Aniversário da Guild” de 1 ano, onde sorteamos para os membros Tibia Coins e outros Itens que compramos e arrecadamos, além disso também fazemos investimentos para todo servidor onde todos os eventos de “Double” nós pagamos para Cidades específicas do jogo ficarem “Boostadas”, com intenção de viabilizar mais players poderem caçar nos mesmos lugares de caça pois os bixos nascem mais rápido, entre outros benefícios.

A respeito de jogadores neutros utilizando o servidor Bigatu explicou o seguinte: “Todos os neutros tem liberdade de caçar em qualquer respawn, exceto Soulwar. Caso alguém da Guild chegue no respawn que o neutro está, ele conversa e da um tempo de 10-15 minutos para o neutro finalizar o refil e sair.”

Em relação aos novos jogadores de level alto ingressantes no servidor, destacou: “Se algum novo player chega para nós e pede para entrar no nosso time, usufruir do nosso teamspeak, ter prioridades em nossos lugares de caça, e outros benefícios que proporcionamos que foram organizados com muitos esforços desde a abertura da Guild a 1 ano atrás, nós analisamos caso a caso e vemos até onde vale a pena receber o player no time. Não existe uma regra, muito menos uma tabela de valores.

Não resolvemos nada na base do dinheiro. Não é apenas um player chegar para nós e falar: “tenho X tibia coins quero entrar na guild” não significa que você vai entrar. Nós temos um ótimo relacionamento com outros servidores e buscamos saber tudo sobre todos, antes de incluirmos o player no time, saber de onde veio, se arrumou confusão de onde está vindo, ou se já está no servidor e é um player que respeita as regras da guild ou é um player tóxico que apenas arruma confusão, enfim, nós analisamos tudo.”

Referências:
Canais de jogadores mencionados na matéria:
História Guerreiro Tetra: https://jornalsupera.com.br/a-corrente-de-superacao-e-solidariedade-iniciada-em-sc-que-esta-ganhando-o-brasil/

Guerreiro Tetra: https://www.twitch.tv/guerreirotetra
Libosi: https://www.twitch.tv/libosi_
Bigatu: https://www.twitch.tv/bigatu_

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui